RJ – Maria Conga: A Guerreira do Quilombo de Magé

Esta é uma homenagem a uma mulher guerreira, que veio escravizada do Congo e lutou para a libertação de seu povo no Brasil (vídeo e texto de Gilvaldo Dias Guerra).

O tesouro cultural que Magé desconhece: o município de Magé, hoje praticamente uma cidade-dormitório, abriga um tesouro desconhecido, inclusive, por boa parte de seus 250 mil habitantes. Bem próximo ao Centro, lá está encravado o Morro da Maria Conga.

Em passeio pela cidade, é possível conhecer preciosidades históricas como o Morro do Bonfim, rota de fuga dos negros em direção ao Quilombo de Maria Conga – que se transformava num campo de batalha quando os senhores dos escravos mandavam seus jagunços virem resgatá-los – e Piedade, tradicional bairro negro de Magé, onde os escravos montavam toda a sua estratégia de resistência. Neste bairro encontra-se a Praça do Leilão, antigo porto de desembarque escravo onde, ao chegar da África, os negros eram acorrentados no paredão. Ainda na Piedade há uma capela inteiramente construída por negros, além de um túnel, escavado por eles, que dá acesso ao Quilombo de Maria Conga, que morreu aos 95 anos de idade.

Resgatar a saga da comunidade negra na região, porém, não é tarefa das mais fáceis. Pelo contrário. Uma sucessão de administrações absolutamente desinteressadas em preservar este belo capítulo da história do povo brasileiro, impediu que a população local travasse contato com suas raízes. Tivemos governos que procuraram destruir todas as referências da cultura negra na região. Principalmente uma família que ficou no poder por vários anos. Felizmente, há exceções. Marcílio da Costa Faria, 68 anos, veterano militante da causa negra no Brasil, é uma delas. É assim como se fosse um patrimônio cultural ambulante de Magé.

E a função do Grupo Resgate Memória Magé é resgatar a nossa História, que certamente despertará nos mais jovens o interesse por essas Relíquias desconhecidas.

Gilvaldo Dias Guerra
GRUPO RESGATE MEMÓRIA MAGÉ

Comments (20)

  1. Na construção do Brasil que temos hoje, ninguém trabalhou mais do que a raça negra. Foi muito suor derramado, muitas vidas ceifadas e muito sangue derramado. É um vexame histórico o que está escrito nas páginas de nossa história, sobre o tratamento dado ao povo negro. O Brasil jamais poderá reparar o erro praticado contra essa gente. Uma nação de muitos heróis e heroínas, mas poucos são lembrados e homenageados (o contrário do que acontece com a maioria dos assassinos de negros e índios da nossa história)
    O poema “Quilombola Guerreira” foi escrito a pedido de minha amiga Deise Pereira, uma incansável batalhadora pela educação e cultura da cidade de Magé (Rio de Janeiro). Uma homenagem à fundadora da cidade. Maria Conga. Uma negra que veio para o Brasil quando ainda era uma criancinha.
    Segundo conta a história, Maria Conga foi adotada por uma família que a afastou do trabalho escravo aos 11 anos de idade, mas, ela não deixou de lutar pela liberdade do seu povo, inclusive dando abrigo aos negros que fugiam da Senzala. Ela representa aqui, todas as mulheres heroínas silenciadas e ocultadas pela história do Brasil.

    Quilombola Guerreira
    (Gilmar Souza)

    Pra narrar esse cordel
    Invoco as luzes celestiais
    Buscando a inspiração
    Nas memórias ancestrais
    Pra contar uma história
    De muitos anos atrás.

    Vou atravessar os mares
    Romper divisa e fronteira
    Pois o começo da trama
    Deu-se em terra estrangeira
    Numa nação africana
    Bem longe da brasileira.

    É uma história verdadeira
    Não duvide, tenha fé
    Contando a trajetória
    De uma importante mulher
    Chamada Maria Conga
    Heroína de Magé.

    Tudo começou no Congo
    Quando ainda era menina
    Junto com toda a família
    Começou a sua sina
    Foi jogada num navio
    Pra uma viagem cretina.

    Depois de dias no mar
    Seu destino se cumpria
    No Brasil da escravidão
    Ela desembarcaria
    E com onze anos de idade
    A liberdade chegaria.

    Maria Conga guerreira
    De garra e valentia
    Os direitos de seu povo
    Com muito amor defendia
    Aos sessenta e dois anos
    Conquistou a alforria.

    Mulher exemplo de força
    Também determinação
    Nunca deixou que a tristeza
    Lhe afligisse o coração
    Mesmo sofrendo os horrores
    Por parte do seu patrão.

    Para o povo quilombola
    Foi um poço de bondade
    Serviu toda a sua raça
    Na luta por liberdade
    Não permitia que o negro
    Perdesse a dignidade.

    Foi uma verdadeira mãe
    Para o seu povo querido
    Acolhia todo escravo
    Que chegasse foragido
    Na sua comunidade
    Ninguém era desvalido.

    E como todo vivente
    Tem seu dia e sua hora
    Chegou a vez de Maria
    De esse mundo ir embora
    Mas pra nação quilombola
    Ela ainda vive na história.

    Eu encerro a homenagem
    A essa grande mulher
    Dizendo que sua vida
    Merece aplausos de pé
    Viva a Maria Conga
    Heroína de Magé!!

  2. MARIA CONGA A RAIZ DE MAGÉ!

    Hoje vou apresentar um documentário, que a história oficial não publicou. Sabe onde aconteceu? Hummm! Em Magé!

    Em 1976, quando trabalhava no INSS-Magé, ouvi a primeira vez o nome dessa mulher (Maria Conga). Pensei que era uma mulher que usava uma Conga, um calçado famoso, que usávamos na época.

    Depois em 2005, quando pesquisava informações no meu Sindicato (SINTTEL-RJ), li a sua história. Pensei logo! Que isso? Essa mulher viveu em Magé? Aprendi uma história contada por pessoas que não moravam em Magé.
    Um Tesouro Cultural, desconhecido pela história oficial e também pelo povo Mageense.

    Quando Zumbi, liderou o Quilombo de Palmares, o Líder era Ganga Zumba, que tinha assinado um acordo de paz com o Governador da Província de Pernambuco. O Zumbi não gostou do acordo e assumiu a liderança do Quilombo. A Capital do Brasil era na Bahia.

    Longe de Palmares que ficava na Serra da Barriga entre Alagoas e Pernambuco.

    Em 1834, quando houve a Revolta dos Malês na Bahia, a capital do Brasil era o Rio de Janeiro, pois fora transferida em 1763, por causa da Estrada do Ouro, feito por um Suruiense Bernardo Soares Proença em 1724. Outro que o povo de Magé não conhece.

    Cabe lembrar, que Magé em 1802, era Cabeça de Corte, lugar de destaque junto a Corte.

    A Ordem dada depois da Revolta dos Malês, era destruir toda a Resistência dos Quilombos. A Maria Conga quando fez o seu Quilombo em Magé, estava quebrando a ordem da Corte.

    Em Magé, constava um efetivo da Guarda Nacional e o Exército com mais de 2.000 soldados, com os jagunços, capitães do mato.

    Maria Conga nunca foi pega, pois fugia pelas Matas de Magé e Guapi. Morreu de velha com 103 anos, depois de ver a libertação do seu povo. Faleceu em 05 de outubro de 1895, e sepultada na

    Igreja Nossa Senhora de Inhomirim em Bongada.

    Espero que o povo Mageense conheça esse Tesouro Cultural, que foi escondido pelas autoridades da época e desconhecido até hoje pela história. Como o Exército, a Guarda Nacional, poderiam justificar a não destruição esse Quilombo, pois em outros, como o de Suruí, Feital, em Magé, do Manoel do Congo em Vassouras, etc, liderados todos por homens, foram destruídos e os seus líderes capturados e mortos. E a Maria Conga? Não conseguiram pegar essa mulher?

    Conhecendo esse grande Tesouro Cultural, uma nova consciência nascerá e começaremos a Resgatar a Memória de Magé, o 3º município mais antigo do Estado do Rio de Janeiro, que fará 450 anos em 09 de junho de 2015.

    Grupo Resgate Memória Magé
    Gilvaldo Dias Guerra

    http://www.youtube.com/watch?v=MeE5KWrZ3Us

  3. Parabéns pela iniciativa, Monique.
    Infelizmente, no que diz respeito a este blog, só temos o que eventualmente publicamos, e é bem pouco. Mas recordo que postamos uma vez informações sobre uma pessoa que estava pesquisando esse tema.
    Boa sorte!

  4. Boa noite,

    sou professora em Magé e estamos desenvolvendo um projeto de resgate da história de Magé. Peço sua ajuda, pois não há muito material disponível sobre essa história.

  5. gostaria de saber tanbem sua istoria de vida onte naiceu guantas vezes foui vendida aonte e guando faleceu.obrigado..ass..ivan

  6. ola e com muita satisfacao k eu venho preocurando esta reportagem pos costaria muito de conhecer o bairro maria conga como fasso pra chegar la .

  7. Demorei, mas voltei rs, Como solicitado vou colocar abaixo os links das postagens do meu blog que falam sobre o CTR Bongaba ( lixão de Bongaba. Mas se eu tenho muitas fotos, de vários períodos diferentes que eu posso lhe mandar por e-mail se estiver interessada.
    http://expressoopiniao.blogspot.com.br/2012/06/crime-ambiental-aterro-sanitario-de.html

    http://expressoopiniao.blogspot.com.br/2012/07/denuncia-aterro-sanitario-de-mage.html

    http://expressoopiniao.blogspot.com.br/2012/10/aterro-sanitario-ou-lixao.html

  8. O resgate da memória é de suma importância devido à construção de uma identidade consistente de um determinado povo. Para isso é necessário ir em busca das raízes, das origens, no âmago da sua história.

    Desta forma, o objetivo deste artigo é registrar a importância da memória na construção de uma identidade.

    A memória histórica constitui um fator de identificação humana, é o sinal de sua cultura. Reconhecemos nessa memória o que nos distingue e o que nos aproxima.

    A memória é um elemento essencial da identidade e contribui para a formação da cidadania.

    Essa História foi construída seguindo as pegadas do repórter Luiz Carlos de Souza e o fotógrafo U. Dettmar do Rio de Janeiro, que numa manhã chuvosa de sábado, dia 7 de junho de 1975, chegaram à Guia de Pacobaíba, Mauá, Distrito de Magé – RJ, em busca de João Antônio Guaraciaba, ex-reprodutor de escravos, para ouvirem seu depoimento.

    Publicado na mesma época em forma de reportagem, na revista
    “Livro de Cabeceira do Homem” pela Editora Civilização Brasileira, e hoje perdida na poeira do tempo.

    Esse trabalho resgata das cinzas do esquecimento, um pedaço vivo e cruel da escravidão, ressuscitado da memória desse interessante personagem e integrando-o na Historia da Baixada Fluminense.

    Dia 20 de novembro, dia Nacional da Consciência Negra. Quem tem Consciência tem Memória!

    Gilvaldo Dias Guerra
    GRUPO RESGATE MEMÓRIA MAGÉ
    “Magé! Minha Pequena Magé” Gigante nas Páginas da História!”

    http://www.youtube.com/watch?v=Amx48RJQIJ8&feature=channel&list=UL

  9. Óla, gostaria de fazer uma visita de trabalho de campo sobre a educação ambiental ou escolar no Quilombo?

  10. Felipe, estou viajando hoje e voltando no início de novembro. Vi que você tem um blog mas não tenho tempo agora para olhá-lo. Suponho que esse material tenha sido disponibilizado lá. Se foi, envie por favor os links, que mesmo durante a minha viagem haverá gente cuidando do Blog e postando. Se não foi e por algum motivo está só com você, peço para voltar a dar notícias no início de novembro, ok? Obrigada. Tania.

  11. Possuo uma série de fotos, vídeos e reportagens sobre a Central de Tratramento de Resíduos de Bongaba ( Para mim Lixão de Bongaba) e peço a ajuda de você para divulgar esse descaço. Como podemos proceder ?

  12. Oi, Maurício!
    Se você se refere à matéria, nós a recebemos, achamos interessante e publicamos. Mas não temos qualquer relação com seu autor, exceto essa, estabelecida via Blog. Agora, se quiser entrar em contato conosco, é só dizer.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.