SP – Justiça condena estudantes de medicina por ‘tapetada’

Agressores terão de pagar R$ 30 mil a auxiliar de serviços atingido na avenida Francisco Junqueira

Segundo decisão judicial, Geraldo Garcia deve receber R$ 30 mil por ter sido agredido; advogado pede valor maior e recorreu da sentença Foto: J.F. Pimenta / A Cidade

Jucimara de Pauda

A Justiça de Ribeirão Preto condenou três estudantes universitários de medicina a pagarem R$ 30 mil de indenização por danos morais ao auxiliar de serviços Geraldo Garcia que há dois anos foi vítima de uma tapetada quando estava a caminho do trabalho, de bicicleta, na avenida Francisco Junqueira.

No ano passado, na esfera criminal, eles foram condenados a prestar três meses de serviços a comunidade pela agressão.

Os estudantes Abrahão Afiune Júnior, Emilio Pechulo Ederson e Felipe Grion Trevisan terão que pagar R$ 10 mil, cada um, ao auxiliar de serviços. Eles já recorreram da sentença.

O advogado de Geraldo Garcia, vítima de injúria racial, também não ficou feliz com a decisão judicial e quer uma pena maior. “Vamos recorrer porque consideramos que o valor é baixo e não tem efeito intimidatório. Além do mais, eles têm um alto poder aquisitivo e precisam entender a gravidade do ato que fizeram”, diz Eduardo Silveira Martins, advogado de Geraldo.

Tapetada

Os três estudantes agrediram Geraldo Garcia com uma tapetada nas costas que o fizeram cair no solo. Mesmo ferido e assustado, Geraldo ouviu os xingamentos dos rapazes. “Eles gritaram “seu nego” e comemoraram quando eu caí”, afirmou em entrevista realizada na época.

Após ser agredido, Geraldo foi ajudado pelos funcionários de um posto de combustíveis que presenciaram o fato. Além de ajudá-lo, eles perseguiram os estudantes e conseguiram prendê-los.

A Polícia Militar foi chamada e os jovens foram presos acusados de racismo, crime inafiançável.

Doze horas depois todos estavam soltos graças a uma decisão do juiz Ricardo Braga Monte Serrat que apoiado no parecer do Ministério Público entendeu que o caso era de injúria qualificada e não racismo e permitia fiança. Eles pagaram R$ 5.080 cada e foram liberados.

http://www.jornalacidade.com.br/editorias/cidades/2011/11/03/justica-condena-estudantes-de-medicina-por-tapetada.html

Comments (2)

  1. Regina, quanto a receber o Boletim, colocarei seu nome e e-mail na nossa lista de assinantes em seguida. Quanto a colaborar, somos apenas duas pessoas usando parte do nosso tempo para manter o Blog funcionando. Então, como você deve ter visto no final de muitos posts, contamos com a colaboração pessoas como você, que sequer conhecemos mas que nos ajudam enviando informações, notícias de outros estados (estamos ambas no Rio), denúncias, artigo (próprios ou de [email protected]) etc. Tenho a certeza de que se você quisesse nos um texto sobre a Cidade Tiradentes e seus problemas (que, pelo que conheço à distância, constituem excelentes exemplos de Racismo Ambiental e de negação do direito à cidade) isso já seria uma excelente primeira colaboração. Um abraço, Tania.

  2. Sou afrodescendente, 51 anos, professora de Educação Ambiental, estudante 2º ano Direito no Istituto Afro Brasileiro de Ensino Superior e coordenadora de projetos sócioambientais da Ong SOASE (Cidade Tiradentes/Z.Leste). Desejo receber e colaborar com este informativo; quais os procedimentos necessários?
    Obrigada!

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.