Internautas relatam abusos após jornalista denunciar a violência obstétrica no Brasil

Matéria “Na hora de fazer não gritou”, da jornalista Andrea Dip, gerou imensa repercussão nas redes sociais

Foto: Agência Pública

Da Redação Revista Fórum

Agência Pública publicou, na última segunda-feira (25), a matéria “Na Hora de fazer não gritou”, na qual a jornalista Andrea Dip apresentou  um amplo panorama da violência obstétrica no Brasil.

A matéria contém dados aterradores sobre as violências pelas quais mulheres brasileiras passam no momento do parto. De acordo com a pesquisa “Mulheres brasileiras e Gênero nos espaços público e privado”, divulgada em 2010 pela Fundação Perseu Abramo, uma em cada quatro mulheres sofre algum tipo de violência durante o parto. (mais…)

Ler Mais

Manifestação em São Paulo chama a atenção para o desaparecimento de crianças e adultos

Fernanda Cruz, Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Despertar a atenção da população para a luta das mães que buscam por seus filhos desaparecidos. Com esse objetivo, um grupo de dezenas de pessoas se reuniu na tarde hoje (30), na Avenida Paulista, em São Paulo, para uma manifestação com cartazes e fotos dos desaparecidos.

Participaram do protesto os movimentos Mães da Sé, Mães de Luta, Movimento por Justiça e Paz, Fundação Criança de São Bernardo do Campo, entre outros. Os manifestantes colheram assinaturas para que um projeto de lei de iniciativa popular possa ser apresentado ao Congresso Nacional. A proposta, de autoria de Sandra Moreno, que sofre com o desaparecimento de sua filha, pede, entre outras medidas, dados seguros sobre estatísticas de pessoas desaparecidas no país e a atualização do Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas (CNPD).

A presidenta do Movimento Mães da Sé, Ivanise Esperidião da Silva diz que o principal motivo da manifestação é “chamar a atenção da sociedade para que veja o desaparecimento com um olhar mais atento, nós precisamos disso para que possamos trazer os nossos desaparecidos de volta”. A filha de Ivanise desapareceu há 17 anos. A menina sumiu quando voltava da casa de uma colega, a 120 metros de distância de sua casa. Ivanise diz que a união com outras mães a fez suportar melhor essa dor. (mais…)

Ler Mais

Fortaleza: WebFor 2013 – Fórum Nacional de Comunicação Digital

O Instituto ANIMA, Barão de Itararé, Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI) e Altercom promoverão nos dias 24, 25 e 26 de maio, em Fortaleza, o WebFor 2013 – Fórum Nacional de Comunicação Digital. O evento promoverá um grande debate com a sociedade civil sobre luta pela democratização da mídia, pela liberdade de expressão e da informação, inclusão digital, marco civil da internet, pelo fortalecimento das rádios comunitárias, e a defesa de projeto de Lei de Iniciativa Popular do Marco Regulatório das Comunicações. O evento será transmitido pela internet, e terá o formato todo em Desconferência.

Inscrições e alojamentos para 300 pessoas gratuitos pelo e-mail: [email protected]

Local: Auditório da Universidade do Parlamento-Assembleia Legislativa/CE, bairro Dionísio Torres.

Maiores informações: 85-99640672 (TIM) – Daniel Pearl – 85-97387515 (TIM) – Fábio Mendes. (mais…)

Ler Mais

“A próxima luta”, por Pablo Nogueira

Antropólogo analisa as mudanças na terra indígena Raposa Serra do Sol após a polêmica decisão do STF de retirar os fazendeiros da área em 2009. De olho no crescimento da população e da pecuária, lideranças locais já se preocupam com a sustentabilidade

Fotos: Guilherme Gomes – UNESP Ciência

São quase 11h e a aldeia Maturuca, situada na terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, está em clima de expectativa. Seus habitantes aguardam um ilustre visitante, que, esta manhã, está um pouco atrasado. O adiantado da hora faz os tuxauas – termo local para cacique – debaterem o cancelamento da grande dança de recepção que está programada. De repente um homem esguio, de bermuda e barba rala desce de um carro enlameado. É o visitante, que saúda os tuxauas e culpa as condições da estrada pelo atraso.

Segue-se um corre-corre e logo oitenta crianças e jovens da etnia Makuxi, vestidos de maneira tradicional, espalham-se pelo pátio da aldeia. Começam a dançar e a cantar a plenos pulmões. À medida que o visitante caminha por entre eles, é envolvido pelos dançarinos, que seguem seus passos. A canção de boas-vindas, entoada em língua macuxi, diz “você vem de longe/ as meninas te saúdam”. (mais…)

Ler Mais

Metalúrgicos: Empresas negam direitos de trabalhadores vítimas de doenças e acidentes no Maranhão

Por Sindmetal

“Minha vida mudou completamente: hoje eu não posso sequer jogar um futebol ou ir ao parque de diversões”. A declaração é do empregado da Alumar Luis Henrique da Luz, afastado da empresa há 13 anos por problemas de saúde e até hoje não conseguiu aposentadoria.

O drama do empregado começou quando ele tinha 20 anos de idade e começou a trabalhar como auxiliar na empresa, passando por treinamentos, operação, mecânica e redução, no total de 10 anos. Ele diz que adquiriu uma hérnia de disco e diminuição na visão e audição. “Já fiz três cirurgias de hérnia, mas a empresa nega que esse problema eu adquiri no trabalho, para não me garantir o benefício acidentário”, declara.

O funcionário foi inicialmente afastado por meio do auxílio-doença, retirado algum tempo depois e foi preciso entrar já Justiça. Hoje ele possui ação na Justiça do Trabalho contra a Alumar, pedindo indenização por todos os danos físicos e psicológicos sofridos, além de um pedido no INSS para transformar o auxílio-doença em benefício acidentário. (mais…)

Ler Mais

Ibama impede fraude que legalizaria 2,7 mil caminhões de carvão ilegal no Pará

Por Nelson Feitosa- Ascom Ibama/PA

O Ibama embargou três madeireiras e três carvoarias envolvidas em esquemas de legalização fraudulenta de carvão vegetal, entre 18 e 22 de março, em Tailândia, no sudeste do Pará. Na operação, os agentes ambientais identificaram 46 mil m³ de resíduos de serraria fictícios ativos nas contas das empresas no Sisflora – o sistema eletrônico que controla a compra, venda e transporte de produtos florestais no estado –, que foram bloqueados.

Se não fossem flagrados pela fiscalização, eles seriam utilizados para esquentar cerca de 2,7 mil caminhões de carvão ilegal e gerariam mais de mil hectares de novos desmatamentos. As multas aplicadas aos empreendimentos e seus responsáveis somaram R$ 15 milhões.

Diferença entre saldo e estoque

“Os pátios das serrarias estavam quase vazios de resíduos (que são as sobras do beneficiamento da madeira em tora) quando deveriam estar abarrotados, se fossem reais os saldos no Sisflora. Na verdade, eles só existiam no sistema eletrônico e seriam usados para emitir Guias Florestais para colocar no mercado o carvão irregular produzido nos assentamentos agrários e pequenos desmates da região”, explica o coordenador da operação, o analista ambiental Fernando Polli. (mais…)

Ler Mais

MA: Tribo Awá faz apelo desesperado para expulsar madeireiros

Por Survival

A tribo mais ameaçada do mundo enviou um apelo urgente para o governo do Brasil para expulsar invasores de sua floresta, conforme fãs de futebol do Brasil dão o seu apoio para a tribo.

Apesar da decisão de um juiz federal que ordenou as autoridades brasileiras para remover todos os invasores em terra Awá até o final de março, nenhum invasor foi despejado até o momento. Os Awá estão cada vez mais desesperados, a medida que madeireiros ilegais se aproximam e colonos invadem suas terras.

Em uma filmagem rara, um homem Awá faz um apelo ao Ministro da Justiça do Brasil, dizendo, ‘Eu estou com raiva, fico com raiva … Os madeireiros vêm aqui cortar as árvores …O Ministro da Justiça pode nos ajudar aqui, agora. Ajuda nós aqui, agora!’ (mais…)

Ler Mais

MA: Reunião no MPE discute situação de indígenas em Amarante

Por Eduardo Júlio – MPMA

Após denúncia do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos, que enumerou diversas reivindicações da etnia Gavião, do Território Indígena Governador, localizado no município de Amarante (a 679km de São Luís), a procuradora-geral de justiça, Regina Lúcia de Almeida Rocha, reuniu-se, na manhã desta terça-feira, 26, com representantes do Governo Estadual para tratar do assunto.

Os indígenas pedem providências nas áreas de saúde, educação, segurança e alimentação. Ao todo, residem no local 360 famílias, divididas em nove aldeias. De acordo com o documento recebido pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA), madeireiros constantemente extraem, sem autorização, madeira da referida terra indígena e vêm ameaçando a integridade física dos índios. Outro problema relatado pela comunidade é a recusa dos comerciantes de Amarante em vender produtos alimentícios para os índios, em razão do conflito com os madeireiros. Faltam, ainda, médicos e professores para prestarem serviços nas aldeias.

Do Ministério Público do Maranhão, acompanharam o encontro a diretora da Secretaria para Assuntos Institucionais, Fabíola Fernandes Feheína Ferreira, o promotor de justiça da Educação, Paulo Silvestre Avelar Silva, e o coordenador de Planejamento da Procuradoria Geral de Justiça, Cláudio Marcelo Amorim. Representando o governo, estiveram presentes a secretária de estado da Igualdade Racial, Claudett de Jesus Ribeiro, a secretária-adjunta de Igualdade Racial, Benigna Regina Almeida, o secretário-adjunto de Saúde, Alberto Carneiro, o secretário-adjunto de Direitos Humanos, Tiago Fernandes, e o secretário-adjunto de Segurança Alimentar e Nutricional/Sedes, Kléber Gomes. (mais…)

Ler Mais

Agrocombustíveis X Alimergia

Valter Israel da Silva, militante do MPA presente no Fórum (Foto: saite MPA)

Por Comunicação do MPA

O Movimento dos Pequenos Agricultores apresentou hoje sua visão sobre o conceito de ALIMERGIA em contra ponto aos agro combustíveis no “Espaço Climático”do Fórum Social Mundial em Tunis – Tunísia.

O Fórum está organizado em diversos espaços de debates, sendo que um deles foi sobre as falsas soluções para a crise ambiental. Entre as falsas soluções estão conceitos da “economia verde”, como o REDD entre outros e também a questão dos agrocombustíveis  Sobre este tema foi a participação do MPA.

Para Valter Israel da Silva, militante do MPA presente no Fórum, a posição do MPA é de “rechaço”aos agrocombustíveis e ao modelo de desenvolvimento que exige tanta energia. Segundo ele, os principais motivos para esta posição são: 1) o fato de a produção de agrocombustíveis ser antagônica ao principio básico que orienta a Via Campesina, que é a Soberania Alimentar, 2) pela expansão dos monocultivos de cana, de soja e outros, que invade os territórios e expulsa camponeses, 3) pela transformação de alimentos em combustível, como é o caso do milho na América central. (mais…)

Ler Mais