Conferência Local de Política Indigenista: Etapa do Povo Tupinambá de Olivença

Foi realizada no período de 03 a 05 de julho do corrente ano na Aldeia Serra do Padeiro município de Buerarema, sul da Bahia a etapa local da Conferência Nacional de Política Indigenista, para o povo Tupinambá de Olivença. A referida Conferencia contou com a presença das lideranças Tupinambá, além da participação de outros povos presentes convidados, Pataxó Hã-Hã-Hãe, Tuxá, Kaiapó, alem das Instituições: Funai, Sesai, IFBA, Geografar (Universidade Federal da Bahia) e dos parceiros e aliados: Cimi,  Movimento dos Sem Terra (MST), Movimento de Luta pela Terra (MLT) e da Coordenação Estadual dos Assentados, Acampados e Quilombolas da Bahia (CETA). O evento foi organizado pela coordenação local da Comissão Nacional de Política Indigenista (CNPI) e contou com a presença de mais de 80 participações. (mais…)

Ler Mais

Sob ordem de despejo, comunidade Guarani e Kaiowá afirma que não voltará para beira de rodovia

Cimi

Dona Damiana e seus guerreiros e guerreiras Guarani e Kaiowá vivem, enquanto você lê esse texto, tomados pela angústia do único prazo que as autoridades costumam cumprir no Mato Grosso do Sul: menos de 10 dias para a Polícia Federal chegar ao tekoha – lugar onde se é – Apyka’i, município de Dourados, e despejar à força a comunidade de Curral do Arame do território tradicional. Os indígenas não irão sair, assim afirma dona Damiana. “Justiça e governo não entenderam que nosso povo nunca vai deixar suas terras para trás. A gente só pode ‘Ser’ aqui, no lugar em que sempre vivemos. Vamos continuar a morrer e a nascer lutando por nossas terras”, diz dona Damiana, que apela: “Os interesses econômicos valem mais do que a vida de um povo? Se para o branco é assim, nem para ele existe futuro”. Uma campanha pela demarcação do Apyka’i tenta sensibilizar as autoridades e fazer denúncias. (mais…)

Ler Mais

Deputados de 6 partidos lançam carta sobre a gestão Eduardo Cunha: “Um semestre de retrocessos”

O documento abaixo foi elaborado inicialmente por parlamentares do PSOL, mas conta já com assinaturas de [email protected] do PSB, PT, PDT, PROS e PPS

* * *

No balanço de seus primeiros seis meses de gestão, o Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, anuncia supostos avanços na administração da Casa. Omite, no entanto, o desserviço prestado ao país por sua agenda autoritária e conservadora. Cunha sustenta-se sobre uma base de deputados e líderes que corroboram seus métodos e posições políticas. Cresce, porém, a resistência dentro e fora do Parlamento. (mais…)

Ler Mais

Somos una América-Abya Yala boletim nº 2: Resistencias, avances, criminalización… (para baixar)

Somos una América-Abya Yala se complace en compartir con todos ustedes la segunda edición de este Boletín donde abordaremos las realidades populares que no son noticia en otros medios de comunicación y que para nosotros es un deber informar sobre los procesos de lucha por mas pequeños que estos sean.

De Costa Rica y Panamá siempre se habla muy poco y se tiene la idea que son país donde no existen conflictos políticos de gran escala pero en la realidad encontramos grandes problemas como la criminalización de la protesta social y en Panamá, los pueblo indígenas y campesinos están movilizados demostrando su resistencia ante los mega proyectos que destruyen sus territorios y costumbres.  (mais…)

Ler Mais

Jovens negros protestam contra autos de resistência

Objetivo é pressionar pela revogação do instrumento

SEPPIR

Um grupo de 130 jovens, a maioria negros, entregou ontem (15), um abaixo assinado com 100 mil assinaturas para pressionar a favor da revogação dos autos de resistência, instrumento amparado pelo Código Penal que na prática possibilita que policiais justifiquem mortes decorrentes em abordagens a suspeitos sob a alegação de defesa pessoal. (mais…)

Ler Mais

Nina Simone e a música como expressão dos direitos civis

No rastro do documentário “What happened, Miss Simone”, vale refletir sobre vida, música e lutas da compositora negra que dizia: “É obrigação artística refletir meu tempo”  

Por Kauê Vieira, no Afreaka/Outras Palavras

O movimento dos direitos civis é um dos momentos mais importantes da história dos Estados Unidos, concentrado principalmente em estados do sul do país, os fatos ocorreram entre 1954 e 1968 e foram uma forma de resistência da comunidade negra que exigia o fim da segregação racial imposta por supremacistas brancos. O objetivo era questionar e boicotar decisões claramente racistas, como as proibições sociais cotidianas impostas aos negros e os direitos cedidos apenas às pessoas brancas o que, na visão dos estrategistas do movimento, provocaria uma crise e consequentemente um diálogo com as autoridades. (mais…)

Ler Mais

Em Mossoró, vereadores fundamentalistas querem proibir menção a “ideologia de gênero” nas escolas

Por CRDH Semiárido

Nacionalmente, alguns grupos religiosos fundamentalistas têm se articulado para influenciarem a elaboração e deliberação dos planos decenais de educação de diversos municípios (PME) brasileiros. Interessa-lhes, particularmente, a supressão das temáticas referentes a gênero e sexualidade das atividades escolares, sejam curriculares ou extracurriculares. Em Mossoró, Rio Grande do Norte, essa ação se concretizou através da aprovação do Projeto de Lei nº 118/2015, que, antecipando-se às discussões do PME, que sequer teve sua elaboração concluída, proibiu a inserção de quaisquer atividades ou conteúdos curriculares que tratem de gênero e diversidade sexual, temas aos quais se refere com a denominação imprecisa de “ideologia de gênero”. (mais…)

Ler Mais