Contra o golpe, milhares de pessoas saem às ruas na Bahia

Durante a marcha, foi apontada a necessidade do governo retomar uma política econômica que aprofunde o legado nas conquistas da classe trabalhadora

Da Página do MST

Na Bahia, mais de 20 mil trabalhadoras e trabalhadores saíram às nessa quarta-feira (16), em defesa da democracia. 

Os manifestantes se concentraram no Campo Grande, em Salvador, e seguiram em marcha pela Avenida Sete, no centro da cidade, em direção à Praça Castro Alves.

Participaram do ato movimentos sociais e populares de todo o estado, partidos de esquerda, aliados, lideranças políticas, sindicais e milhares de trabalhadores.

Durante a marcha, foi apontada a necessidade do governo retomar uma política econômica que aprofunde o legado nas conquistas da classe trabalhadora e promova o desenvolvimento, a distribuição de renda, geração de emprego e inclusão social.

De acordo com Cedro Silva, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na Bahia, a estimativa era de 15 mil pessoas, porém, em menos de duas horas, ainda na concentração, a expectativa foi superada.

Para o Silva, a marcha representou a energia da classe trabalhadora, que através da construção coletiva e da unidade política, está nas ruas pedindo o afastamento de Eduardo Cunha “pois está utilizando seu cargo para intimidar parlamentares e cometer crimes”, denunciou.

Juventude nas ruas  

A juventude baiana, representada pelos movimentos estudantis e sociais, ocuparam boa parte do trajeto com grupos de percussão e gritos de ordem que contagiavam e integravam os participantes.

Neste contexto, diversas intervenções artísticas, faixas e cartazes apontavam a ofensiva conservadora dos setores da direita e pautavam a necessidade da sociedade se posicionar contra o impeachment da Presidenta da República, que está tramitando no Congresso Nacional.

Para Leonice Ferreira, do MST, a classe trabalhadora precisa estar nas ruas para responder a ofensiva conservadora das bases reacionárias que estão no Governo. “Temos que nos organizar em defesa das conquistas, que nós quanto classe, lutamos para ter acesso”.

“Não daremos nenhum passo para trás. Não vai ter impeachment em nosso país”, enfatizou.

Já os organizadores da mobilização acreditam que a população baiana soube dar o seu recado e protagonizar mais um capítulo na história de luta dos trabalhadores e trabalhadoras do estado em defesa de um país mais justo, sem corrupção e democrático.

Além de Salvador, também aconteceram mobilizações em Vitória da Conquista, no sudoeste, e em Itabuna, sul, com mais de 4 mil pessoas na rua.

Foto: Comunique 13

Comments (1)

  1. Golpe é o governo ir na COP21 e dizer que vão fazer as hidrelétricas no rio Tapajós. Porque produz energia limpa!

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.