Quem é quem no conflito contra os Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul

Por O Indigenista

A situação é de extrema tensão no município de Antonio João, Mato Grosso do Sul, há mais de uma semana e se agravou com o ataque ruralista aos Guarani Kaiowá em sua Terra Indígena Ñanderu Marangatu, já homologada, porém aguardando uma série de ações judiciais impetradas pelos ruralistas.

Mas quem são estes ruralistas? Quem atacou os Guarani Kaiowá?

Saiba quem é quem no conflito que se criou no Mato Grosso do Sul financiado pelo Sistema Ruralista.

Políticos

Produtores rurais da região, entre os proprietários das fazendas ocupadas pelos índios, se reuniram no Sindicato Rural da cidade por volta de 10h de sábado 29 de agosto, chamados pela presidente do Sindicato Rural, Roseli Maria Ruiz Silva, proprietária da Fazenda Fronteira, uma das retomadas. Estavam presentes  e os deputados federais Tereza Cristina (PSB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), e o senador Waldemir Moka (PMDB).

Mesmo com a presença de três congressistas, Roseli Maria Ruiz Silva foi a única a discursar. Ela fez um relato emocionado convencendo a todos de sua versão da situação, assustando os presentes dizendo que os indígenas que ocuparam as fazendas estavam se preparando para invadir a cidade de Antônio João e seus moradores. Ainda, encerrou a reunião sem dar a palavra para as demais autoridades e liderou o grupo de fazendeiros em direção às propriedades ocupadas, prometendo que as terras seriam retomadas naquele dia.Waldemir Moka, senador, e Tereza Cristina, deputada, permaneceram no Sindicato Rural. Já Henrique Mandetta, deputado, acompanhou o grupo de fazendeiros até o local onde iniciaram o confronto contra os Guarani Kaiowá.

A cena do ataque segundo o parlamentar

Em entrevista ao site Campo Grande News, na noite de sábado, o deputado Mandetta explicou o que ocorreu:

“Quando pegamos a estrada de chão em direção à fazenda vi um comboio de uns 50 carros. Pedi para os fazendeiros não entrarem na sede até que os índios se acalmassem, mas duas pessoas de cada lado faria a conversa sob a minha intermediação. Os fazendeiros entraram com os carros por uma lateral da sede e teve o confronto. Era índio e produtor correndo. Teve paulada, pedrada e até barulho de tiro”, contou Mandetta.

Segundo Midiamax, portal do MS, “os fazendeiros estavam revoltados e não queriam diálogo”.

Observa-se, portanto, que a presidente do Sindicato Rural, Roseli Maria Ruiz Silva, foi a responsável por convocar os presentes na reunião a irem até o local onde estavam os Guarani Kaiowá, sem dar nenhum possibilidade de outra pessoa, nem parlamentares, em acalmar a situação e buscar outra saída que não fosse o conflito já definido pelos proprietários que chegaram no local instaurando a violência contra os indígenas.

Quem tomou a decisão do ataque

Roseli Maria Ruiz Silva é proprietária de uma das fazendas existentes dentro da Terra Indígena Ñanderu Marangatu e também é presidente do Sindicato Rural de Antônio João. Ela já vem há anos incitando ataques contra os indígenas e acusando a justiça de demorar a agir contra os Guarani Kaiowá.

Na região todos sabem que a situação da demarcação da Terra Indígena está em suspenso: há o decreto de homologação pela presidência da República que define a área como pertencente à União e para usufruto exclusivo dos indígenas; e há os títulos de propriedade da terra reconhecidos pelo governo do estado do MS.

A Constituição é clara ao definir que se tornam nulos os títulos quando a área é declarada como indígena, porém os proprietários entraram na justiça ao longo de todo o processo de demarcação, que está no Supremo Tribunal Federal aguardando decisão por conta da homologação.

Enquanto todos aguardavam pacificamente a decisão, Roseli Ruiz e uma advogada percorreram nos últimos dias os meios de comunicação de Antônio João e Campo Grande, postaram nas redes sociais e anunciaram pelas ruas que os indígenas iriam invadir a cidade de Antônio João e atear fogo nas residências, conforme Campo Grande News:

A presidente do Sindicato Rural de Antonio João, Roseli Maria Ruiz, também expressou sua preocupação com os conflitos hoje. Em nota, ela diz que há informação de que os índios irão fechar as entradas de acesso a sede do município e colocar fogo na cidade. Ainda de acordo com Roseli, há vários índios com galões de gasolina pela cidade.

“Diante de um caos desta magnitude não tenho ideia do que fazer para garantir a ordem, contatamos todas as autoridades e poderes de polícia. Até o momento não tivemos resposta”, diz a nota, que termina pedindo a proteção divina.

A advogada que acompanhou Roseli na construção das mentiras para amedrontar a população se chama Luana Ruiz Silva, nada menos que filha da presidente do Sindicato Rural.

Luana publicou um vídeo na internet onde lê uma nota acusando os indígenas de terem invadido sua terra e acusando organizações indigenistas de estarem por trás dos Guarani Kaiowá.

Esta advogada e sua mãe já são conhecidas na região por participarem de reuniões com Ministro da Justiça e serem irredutíveis quanto a qualquer acordo. Elas têm se colocado como defensoras dos proprietários e, para tanto, se a situação não for conflituosa, elas não conseguiriam ser acionadas como advogadas e muito menos se manter na presidência do Sindicato Rural.

Sim. É a velha estratégia ruralista de impor o medo à população para manter o sistema lucrativo do agronegócio.

Veja aqui imagens de Luana Ruiz no palco de um evento a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, onde a advogada afirma que os Guarani Kaiowá, habitantes milenares da região, estariam envolvidos com “movimentos comunistas” e chama a todos para “extirpar a política indigenista” do Brasil.

Uma mentira contada várias vezes leva à violência

Em seu perfil no Facebook, Luana Ruiz ininterruptamente chama a população não-indígena ao confronto e acusa os Guarani Kaiowá de mentirem quanto aos ataques que sofreram e sobre o assassinato de um membro da comunidade indígena.

indigenista 1

*

indigenista 2

 

Um grupo de maçons chamado “Avança Brasil Maçons.BR” também apoiaram a violência na região de Antônio João em suas postagens no Facebook e nos eventos locais.

indigenista 3

Ainda houve uma ardilosa mentira plantada pelo ex-deputado pelo Mato Grosso do Sul Pedro Pedrossian Filho, de 43 anos, – que é filho do ex-governador do estado Pedro Pedrossian. Lembramos que ele ficou conhecido por agredir em 2009 o professor de filosofia André Martins, de 42, por ciúmes da mulher Ana Cássia Nogueira Vieira.

Pedrossian Filho postou imagens de um incêndio num deposito de propriedade deFredy Gerstenkorn na localidade de Capitán Meza, Paraguai, como se fosse em uma das Fazendas retomadas pelos Guarani Kaiowá.

[Nota de Combate Racismo Ambiental: a imagem maior, abaixo, reproduzida tal como no original em O Indigenista, é um link direto para a página no facebook, que dá acesso inclusive aos cometários. Já a seguinte, em miniatura, é uma foto da página para registro.]

GK-incendio-2

indigenista 4

Site de onde Pedrossian retirou as imagens:

GK-incendio-1

A realidade da ocupação

Os Guarani Kaiowá retomaram sua Terra Indígena e postaram a todo momento no Facebook as imagens que não mostram armas, nenhum clima tenso e muito menos violência.

Veja as imagens postadas por Isaias, acusado por Luana Ruiz de ser um dos “mandantes” e já ameaçado pelos ruralistas.

indigenista 4

O futuro

A situação tem de se pacificar e os responsáveis pela violência devem ser julgados e punidos. Entre eles certamente estarão Roseli e Luana Ruiz Silva, as articuladores do conflito.

Os Guarani Kaiowá aguardam a devolução de sua terra e o respeito por parte dos não-indígenas que ocuparam seu território tradicional.

Continuaremos observando e informando sobre o ocorrido.

Destaque: Polícia Federal faz reconstituição da morte de Semião Vilhalva. Foto de Marcos Ermínio, publicada em diversos portais de MS.

Leia também:

Nhanderu Marangatu: a volta à terra tradicional, por Egon Heck

Com homologação suspensa há dez anos, Guarani e Kaiowá retomam cinco áreas em Ñanderu Marangatu

Bispo de Dourados, MS, se pronuncia contra ataques ao Cimi e à CNBB

Sindicato rural de Antônio João espalha boatos e incita violência contra indígenas de Ñanderu Marangatu

Nota pública do Aty Guasu Guarani e Kaiowa ao Estado-Nação Brasil

Ruralista do MS mente e divulga fotos de incêndio em fazenda como ataque de indígenas

Armados, produtores tentam desocupar fazenda invadida [sic] por indígenas “na marra”

Notícias de Aty Guasu sobre a situação na TI tekoha Ñanderu Marangatu até as 18 horas de 29/08

Ruralistas atacam e matam líder Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul

Ñande Ru Marangatú: novas violações de direitos

Pequena contribuição ao STF do ‘marco temporal’ x o revoltante esbulho de Ñande Ru Marangatu

Nota Pública: Ruralistas comandam Estado Paramilitar no Mato Grosso do Sul

Vídeo: Com criança baleada e fome, índios estão acuados em Antônio João

Indígenas caminham por 3 km em cortejo de liderança morta em conflito

Nota Pública da Hánaiti Ho’únevo Têrenoe – Grande Assembleia do Povo Terena

Fazendeiros atacam mais uma área retomada pelos Guarani e Kaiowá em Ñanderú Marangatú

Corpo de Guarani e Kaiowá assassinado é entregue à comunidade e quem disparou tiros de borracha num bebê de colo?

Indígena é morto no Mato Grosso do Sul em meio a tensão com fazendeiros, por Leonardo Sakamoto

Povo Gamela manifesta solidariedade aos Guarani e Kaiowá de Ñanderú Marangatú

OAB MS: Nota de Esclarecimento e Crítica à demora do Governo Federal na resolução de conflitos de terra

MS pede ação do Exército em área de conflito entre indígenas e fazendeiros

Enquanto se intensificam os ataques contra os povos indígenas no MS, governo federal segue inerte

Quem é quem no conflito contra os Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.