Encontro de Educação Popular: Preparação para o Seminário Regional

O coletivo ADEP, a Resistência Aldeia Maracanã, junto aos outros coletivos que compõem o Fórum Permanente de Movimentos Sociais, Educação Popular e Universidades convidam para o Encontro de Educação Popular que se realizará no próximo dia 28 de agosto na sede do ADEP das 9 às 18h.

Objetivamos com este Encontro a organização coletiva do Seminário Regional de Educação Popular, pois em dois Encontros prévios que aconteceram na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro, Praia Vermelha) e no CESAC (Centro de Etno Conhecimento Sócio Ambiental Caiuré, extensão da Universidade Intercultural Indígena Aldeia Maracanã) elaborou-se uma proposta que precisa ser concluída.

Para tal, a metodologia aplicada no encontro do dia 28 de agosto no ADEP será um ensaio do Seminário, então, solicitamos que cada coletivo ou movimento social apresente brevemente o tema que quer tratar e debater no seminário. Um representante do coletivo ou movimento expõe o tema e depois faremos uma discussão coletiva. A partir disso se define a programação definitiva do Seminário e seu caráter político. A proposta é que o Seminário, assim como o Fórum, sejam permanentes… em contínua formação. Convidamos também dois companheiros, Joyce Canaan e Spyros Themelis, que atuam na Europa para apresentarem experiências e questões sociais que perpassam o contexto europeu, a experiência dos Movimentos Sociais e as relações com as Universidades.

SOBRE O SEMINÁRIO:
A proposta do Seminário surgiu das atividades do Fórum Permanente Movimentos Sociais, Educação Popular e Universidades, e do grupo COLEMARX-UFRJ. É uma iniciativa coletiva de Grupos, Movimentos e Laboratórios de Pesquisa que interagem e dialogam sobre suas práticas de educação popular no campo e na cidade.

Objetiva ampliar e sistematizar essas relações, tornando mais orgânica a articulação entre Universidade e Movimentos Sociais, recriando e ampliando o debate acerca do espaço político da educação popular frente à expansão do capital, aprofundando os desafios e as problemáticas que perpassam as práticas em diferentes níveis, como: alfabetização, educação de jovens e adultos, pré-vestibular comunitário, universidade popular, rede pública de ensino, organização e criminalização da luta política, movimentos sociais no campo e na cidade, educação indígena, quilombola e demais comunidades tradicionais. O seminário visa também criar práticas conjuntas, como projetos e cursos de extensão, pesquisas, escritos, atos políticos e culturais.

OBJETIVOS DO SEMINÁRIO:
Objetivo principal é que cada grupo ou movimento presente possa debater as seguintes questões elaboradas e definidas nas primeiras reuniões do Fórum Permanente e que possa criar novos questionamentos, para que as bases possam refletir sobre seus problemas concretos e que em rede possamos elaborar ações conjuntas que nos fortaleçam:

1° Quais os desafios estratégicos da experiência política de educação popular? Como pensá-los em termos sociais?

2° Quais são os conflitos que cada coletivo/movimento enfrenta em relação à expansão do capital e suas expropriações?

3° Que diálogo cada grupo ou movimento propõe em termos de articulações no Fórum para reforçar os espaços de existência e resistência?

PROPOSTA DE PROGRAMAÇÃO  (em construção coletiva):

Manhã

9h às 10h – Roda de apresentações e introdução do Forum.

10h às 12h – DEBATE COM CONVIDADOS:

Spyros Themelis (Universidad de East London – Inglaterra)
Joyce Canaan (Universidade de Birmingham – Inglaterra)
Movimentos Sociais e resistência politica na Europa: articulações e diálogos com a America Latina

(haverá tradução)

12h às 14h – Almoço
Decidiremos na hora onde iremos almoçar, ou próximo da UERJ, ou na Mangueira.

Tarde

14h às 16h- Articulação do Fórum em Grupos de Trabalhos. Grupos de estudo para criação de uma pauta dos GTs.

À tarde, nos dividiremos nos seguintes grupos de trabalho (GTs) e/ou mesas temáticas pré-definidas na última reunião do Fórum no CESAC (Centro de Etno Conhecimento Sócio Ambiental Caiuré) em 31/07/15. Sugerimos os coletivos que irão compor cada grupo, porém os coletivos são livres para se organizem como desejarem. Assim como os membros de um coletivo podem se dividir para participarem de mais de um GT. Os GTs ao realizarem seus debates em torno dos objetivos acima (ou outros elaborados) devem ser propositivos, prepararem suas relatorias e exporem ao coletivo na discussão final das propostas.

Grupo 1- Educação Popular / Escola Pública

MOB (Movimento de Organização de Base)
COLEMARX (grupo movimentos sociais)– UFRJ
Frente Livre Estudantil.

Grupo 2 – Pedagogia da Terra / Educação do campo

MST – Setor de Educação – Rio de Janeiro.
MPA – Movimento Pequenos Agricultores.
Fórum Comunidades Tradicionais Parati.

Grupo 3 -Alfabetização e cultura popular

Movimento popular abre biblioteca.
Grupo de Alfabetização da EJA – Fórum EJA – UFRJ.
Instituto Boal.

Grupo 4 – Educacao Popular na cidade

GEP (Grupo de Educação Popular)
Pré Cursinho Popular

Grupo 5 – Organização (e criminalização) da luta política

Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB) e “Cerco de Saberes”
Resistência Aldeia Maracanã
MST

Grupo 6 – Educação e Universidade Indígena

Ação Direta em Educação Popular (ADEP) – Mangueira /UERJ
Resistência Aldeia Maracanã.

16h às 18h – Plenária

18h às 22h – Ato Político (Proposta de que o Ato seja na Aldeia Maracanã)

Para propostas e sugestões:
Email Mônica: monicalimasol@gmail.com
Email Paolo: paolovittoria10@gmail.com

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Mônica Lima.

Comments (1)

  1. Olá! Gostaria de receber informações sobre os próximos encontros, seja pra assistir ou apresentar experiências… Obrigada!

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.