O herói negro ocultado pela Ditadura: Osvaldo Orlando da Costa, Osvaldão

"Ele (Osvaldão) era muito hábil na floresta, tinha dom para caçar e pescar. Os índios falam da técnica dele para imitar os sons dos animais. Osvaldão se integrou à natureza e à vida de camponês".
“Ele (Osvaldão) era muito hábil na floresta, tinha dom para caçar e pescar. Os índios falam da técnica dele para imitar os sons dos animais. Osvaldão se integrou à natureza e à vida de camponês”.

Raça Brasil/Raíz Africana

Os livros didáticos de história contam a trajetória do Brasil, da colonização à independência, da abolição da escravatura aos tempos modernos. Apesar de todo o conhecimento cultural e intelectual que transmitem às crianças e jovens, deixam para trás muitos personagens importantes, que merecem ter suas histórias exaltadas ou, no mínimo, contadas. Coincidência ou não, existem figuras negras emblemáticas que fazem parte da “lista dos esquecidos”. A ausência de registros nos livros escolares pode e deve ser compensada pela internet e por veículos segmentados como a Raça Brasil. Assim sendo, nas próximas páginas apresentaremos um sujeito que poucos conhecem, mas que foi um grande herói na luta contra a ditadura militar. Militante comunista e figura de destaque na Guerrilha do Araguaia, ocorrida entre o final da década de 1960 e o início dos anos 70, Osvaldo Orlando da Costa, ou Osvaldão, como era conhecido, até hoje é lembrado pelo povo local por sua compleição física, inteligência e bondade.

A Guerrilha do Araguaia

O golpe mais duro do governo militar na democracia, o AI-5 (Ato Institucional número 5), deu poderes absolutos ao regime. No dia 13 de dezembro de 1968, entrou em vigor como forma de represália ao discurso do deputado Márcio Moreira Alves, que havia pedido ao povo brasileiro que boicotasse as festividades de 7 de setembro daquele ano. Na verdade, o ato determinava uma série de proibições e concessões de poder ainda mais extremas aos militares. Entre os absurdos, concedia ao presidente o poder de dar recesso à Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas e Câmara de Vereadores, sendo que neste período o Executivo Federal assumiria todas as funções; permitia que o presidente interviesse nos estados e municípios e cassasse mandatos de deputados federais, estaduais e vereadores; e o mais importante dentro do contexto do Araguaia: suspendia o direito ao habeas corpus e impunha a censura prévia sobre os meios de comunicação, espetáculos de arte e obras musicais.

Toda essa repressão fomentou lutas de grupos esquerdistas, entre eles, os guerrilheiros do Araguaia, em sua maioria integrantes do Partido Comunista do Brasil (PC do B), instalados nas proximidades do rio Araguaia, entre os estados do Pará, Maranhão e Tocantins. Eram várias frentes de resistência. No Vale do Ribeira, o político e fundador do partido comunista, Pedro Pomar, liderava as ações. O Araguaia era um ponto estratégico por conta da sua geografia – a mata fechada servia de refúgio e esconderijo para os guerrilheiros. Com a instituição do AI-5, muitos militantes do sudeste do país migraram para lá, a fim de manterem-se em segurança.

Carlos Marighella e Carlos Lamarca
Carlos Marighella e Carlos Lamarca

Os guerrilheiros buscavam inspiração tática nas guerras populares de China e Cuba, com pensamento alinhado aos dos líderes Mao Tsé-Tung, Che Guevara e Fidel Castro. “A ideia era a população se levantar contra a tirania, a ditadura no Brasil. Neste tipo de guerra, montam-se diferentes núcleos e se faz uma preparação com a população local para que a revolução possa acontecer”, explica Osvaldo Bertolino, jornalista e pesquisador da Fundação Maurício Grabois.

E com a estratégia de ganhar o apoio da população rural, os guerrilheiros ocuparam o Araguaia e se prepararam para uma luta armada. Foi formada a Comissão Militar, responsável por coordenar três agrupamentos, cada um composto por cerca de 21 militantes. Embora estivessem na região já há alguns anos, os comunistas não foram descobertos prontamente pelo governo militar. Os primeiros indícios de que havia um grupo organizado ali foram notados pelos militares no final dos anos 1960.

“Tudo que formos falar sobre os militares, é algo mais da nossa percepção, porque não há versão oficial. Uma das pistas pode ser a forma dos camponeses negociarem com os latifundiários. No final dos anos 1960, houve um aumento do preço das matérias-primas da região e o latifundiário começou a estranhar. Até então, eles viam os camponeses quase como escravos, o que os levou a achar que estes estavam recebendo orientações para negociar. A mineração é outra questão importante. Foi descoberta, no mesmo período, a Serra Pelada, e há quem diga que foram os guerrilheiros paulistas que a encontraram. A exploração articulada dos minérios e a comercialização despertaram a atenção do governo e do exército”, afirma Vandre Fernandes, pesquisador e diretor do documentário “Camponeses do Araguaia” e do longa-metragem “Osvaldão”, que ainda esta em fase de produção.

Em 1972, o exército brasileiro avançou até a região para encontrar os guerrilheiros que viviam entre os civis. Os quase 70 militantes estavam misturados à população local, exercendo tarefas profissionais na agricultura, como professores e comerciantes. Na primeira investida, o exército não sabia o que iria encontrar na região e acabou sofrendo algumas baixas. A partir daí, percebeu que se tratava de uma resistência organizada militarmente. Na segunda campanha, saíram novamente derrotados, após combates em diferentes localidades; veio então a terceira e derradeira investida militar, segundo Bertolino, marcada pelo desrespeito à Convenção de Genebra, que estabelece normas relativas aos direitos humanos em tempos de guerra.

“A última campanha do exército foi suja, foram praticados crimes contra a humanidade. Criaram um vazio em torno da guerrilha, prenderam praticamente toda a população masculina e todos foram submetidos a torturas bestiais. Na pior delas, eles amarravam pessoas nas árvores e jogavam açúcar para que as formigas vermelhas atacassem. Muitos camponeses morreram. Até mesmo napalm foi usado, arma química, para criar campos de pouso para os helicópteros”.

  Tamanha violência pode ser explicada, do ponto de vista do exército na época, pela importância da região para os militares e porque consideravam ser causa de segurança nacional. O governo difundia para a população que era necessário proteger o país dos comunistas e rebeldes alinhados com as ideias dos soviéticos e cubanos. A guerrilha resistiu por quase dois anos, mas foi derrotada definitivamente no Natal de 1973, quando a Comissão Militar foi aniquilada pelo exército. Uma equipe do Major Curió, responsável pelo combate ao movimento no Araguaia, conseguiu chegar a uma reunião do corpo pensante da guerrilha e liquidou quase todos os presentes, com poucas exceções. Uma delas foi Osvaldão, que conseguiu fugir para a mata.

Imagem original de uma gravação feita durante o período em que Osvaldão esteve na Tchecoslováquia para estudar (cena do filme “Osvaldão”)
Imagem original de uma gravação feita durante o período em que Osvaldão esteve na Tchecoslováquia para estudar (cena do filme “Osvaldão”)

Osvaldo Orlando da Costa, o Osvaldão

Osvaldão foi a figura mais forte da Guerrilha do Araguaia. Mineiro de Passa Quatro, foi o primeiro comunista do PC do B a chegar à região, entre 1966 e 1967. Negro, quase 2 metros de altura, ficou marcado e é até hoje lembrado pelo povo local por sua coragem e generosidade. Lá, é considerado um herói, e muitas pessoas o enxergam como um ser mítico, conforme descreve Ana Petta, atriz e produtora do filme “Osvaldão”.

“Ele era muito hábil na floresta, tinha dom para caçar e pescar. Os índios falam da técnica dele para imitar os sons dos animais. Osvaldão se integrou à natureza e à vida de camponês. Mesmo não sendo nativo, ele ensinava as pessoas a sobreviverem na mata. Perguntei a um índio se eles o ensinaram a imitar os sons dos bichos e, para a minha surpresa, ele respondeu: ‘não, ele que nos ensinou’”.

Inteligente e hábil para aprender, Osvaldo dominava a língua francesa, idioma que aprendeu junto com o pai, um padeiro, por causa da amizade com um chefe de cozinha francês. Aprendeu também o tcheco, após uma passagem de 6 meses pela então Tchecoslováquia, em 1962. Antes disso, Osvaldão morou na cidade de São Paulo, onde fez o curso Industrial Básico de Cerâmica na Escola Técnica. Mudou-se para o Rio de Janeiro e se formou na Escola Técnica Federal como Técnico de Construção de Máquinas e Motores, em 1958. Seu porte físico avantajado o colocava sempre entre os melhores nos esportes que praticava; como atleta, foi campeão de boxe pelo Botafogo Futebol e Regatas após servir o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva – CPOR – do Rio de Janeiro, onde adquiriu preparação militar.

Osvaldão
Osvaldão

Não se sabe ao certo quando Osvaldão foi visto pela última vez, acredita-se que tenha sido em 1973 ou 1974. Durante os quase oito anos em que esteve na região do Araguaia, tornou-se grande referência entre guerrilheiros e camponeses.

Andei pela região do Araguaia e conversei com as pessoas que conviveram com Osvaldão. Eles se lembram dele com orgulho e carinho. Ele era mariscador, o cara que entra no mato para tirar pele dos animais. Naquela época ainda não era proibido. Ficava dois, três meses lá, vivendo de caça, pesca e mariscando. Voltava com uma montanha de peles sobre as costas. Ele tinha esse poder do carisma, era capaz de interagir com pessoas de diferentes segmentos com a mesma simpatia e inteligência”, comenta Vandre.

O cineasta acredita que Osvaldão merece um lugar de maior destaque na memória do brasileiro.

“Não tem imagens em movimento de Carlos Marighella e Carlos Lamarca, por exemplo, que são ícones de resistência. Do Osvaldo tem, e fora essa questão, ele tem um legado forte na região, algo que os demais não possuem. E, ainda, um terceiro fator muito importante: ele é o único negro que pegou em arma. Em uma população majoritariamente negra como a nossa, a história é contada sem Osvaldão. Falam de Zumbi dos Palmares e Antônio Candido, mas fica uma lacuna. Ele precisa estar no patamar de herói brasileiro”, completa.

Osvaldão era o guerrilheiro mais bem preparado para o confronto armado. Lendas à parte – muitos camponeses e até mesmo membros do exército acreditavam que ele transformava-se em pedra e em animais –, era temido pelos inimigos e admirado pelo povo local por sua força, coragem e pontaria. Foi comandante do Destacamento B, onde participou com êxito de vários combates. Em um confronto na região próxima ao Suruí, povoada por índios, foi dito pelos militares que Osvaldão baleou um oficial. Deste momento em diante, sua captura e morte tornou-se o principal objetivo do exército.

“Os militares sabiam que ele havia passado pelo CPOR no Rio de Janeiro, sabiam da educação militar que ele tinha. Sem contar o treinamento de guerra que fez na China. Ele era o inimigo número um, pegá-lo era questão de honra e um grande troféu para o regime militar. Tanto que, quando ele foi morto, passearam com o seu corpo amarrado no helicóptero como forma de comemoração. Fazendeiros e mateiros contam que foi feito um grande churrasco em Xambioá, uma zona de prostíbulo. Todos foram convidados a participar de uma grande festa, e ficou só um núcleo do exército responsável por enterrar Osvaldo. Até hoje não se sabe o paradeiro da ossada dele”, conta Vandre.

 Estima-se que o conflito tenha deixado 76 mortos. Além de Osvaldão, outra figura emblemática não teve seus restos mortais encontrados: Dinaelza Coqueiro. Dina esteve junto dos companheiros de guerrilha pela última vez em 30 de dezembro 1973, e foi vista pela última vez enquanto estava presa na base dos militares em Xambioá, onde insultava e cuspia nos oficiais que a interrogavam, incluindo o Major Curió.

“Ela estava sendo procurada pelo Curió e suas tropas, e a ordem destes para os camponeses era que, se a vissem, deveriam capturá-la, do contrário poderiam ser fuzilados. No desespero, os camponeses a pegaram quando ela apareceu em busca de água e comida na aldeia. Conseguiram amarrá-la e foram avisar o Curió, mas Dina conseguiu fugir para a mata. Nas buscas pela floresta, a encontraram em cima de uma árvore. Ela ainda tentou lutar, mas foi a última vez em que foi vista”, detalha o pesquisador Osvaldo Bertolino.

Na época, a censura não permitia a divulgação de notícias sobre a guerrilha na imprensa local e nacional, ordens diretas do presidente Ernesto Geisel. O sigilo fazia parte do controle que o governo exercia sobre a população, que poderia ser inflamada e ter reações contra o regime militar por conta dos acontecimentos no Araguaia. Todo e qualquer vestígio do conflito deveria ser apagado.

“O povo nem sabia da guerrilha até o fim da ditadura e, na verdade, até hoje não se sabe exatamente o que aconteceu, porque os arquivos do Araguaia não foram abertos. Mas a partir do fim da ditadura, começaram a aparecer reportagens e livros para esclarecer que a guerrilha foi resultado de um pensamento político comunista. A história não foi divulgada, pois a guerrilha poderia ter um apelo popular, não digo nos grandes centros, mas a massa camponesa e empobrecida do norte e nordeste poderia ter se motivado pela luta. A ditadura varreu qualquer vestígio, os corpos dos guerrilheiros são considerados desaparecidos. Os arquivos estão fechados, não há detalhes sobre as mortes e ainda hoje há receio em se falar no assunto. Há gente por aí que teria de se retratar pelo que aconteceu naquela época, por exemplo, Curió, que continua vivo. Mas há essa resistência porque o Exército e a Marinha têm culpa, foi um crime de Estado”, avalia Bertolino.

Com o abafamento da revolta, foi ocultada a história de Osvaldão, de maneira que ainda hoje poucos têm conhecimento de um dos principais líderes da luta contra os abusos cometidos na época da ditadura militar. “O Osvaldão sempre foi uma figura forte para quem se aproximou da história da guerrilha. Tem algo especial por ser um líder negro, por ter despertado diversas emoções, ódio e medo para os inimigos, sendo ao mesmo tempo uma figura carismática, um homem carinhoso. Merece ter a sua história contada”, conclui Ana Petta.

DICA: O longa-metragem mencionado, “Osvaldão”, produzido por Ana Petta e dirigido por Vandre Fernandes, está em fase de produção e recebe apoio da Fundação Mauricio Grabois. A Raça Brasil irá noticiar a estreia do filme. Aguardem!

Comments (9)

  1. Pena que o documentário não é acessível para pesquisa. Tentaram visibilizar a figura do Osvaldão e ao mesmo tempo o invisibilizam quando não deixam o trabalho acessível. uma pena!

  2. Essa é a visão romantica dessas pessoas que foi imputada na história do Brasil no inicio dos anos 80. Se esses comunistas tomassem o poder seriam tão crueis quantos os ditadores militares. O povo não tinha para onde correr.

  3. Herois para uns e inimigo para outros. A guerrilha do Araguaia embora pequena ao se comparada com a de Cuba, nada mais foi pela luta da troca de uma ditadura militar por uma ditadura comunista. Analisando com uma visão verdadeiramente democrática os guerrilheiros do Araguaia e gente de qualquer outro movimento comunista não são herois e ficam no mesmo patamar dos ditadores militares. Para mim o comunismo é a pior forma de capitalismo existente. Intenda quem puder intender.
    segue a lista dos mortos pela luta armada:
    Otávio Gonçalves Moreira Júnior.
    Cecildes Moreira de Farias.
    José de carvalho.
    Estela Borges Morato.
    Joaquim Melo.
    José Antunes Ferreira.
    Orlando Pinto da Silva.
    Claudio ernesto Canton.
    Irlando de Moura Régis.
    Hélio de Cravalho Araújo.
    Nelson Gomes Fernandes.
    José Júlio Torja Martinez.
    Benedito Gomes.
    Mateus Levino dos Santos.
    Walder Xavier de Lima.
    Carlos Argemiro Carvalho.
    Mário Abraím da Silva.
    Elias dos Santos.
    Odilo Cruz Rosa.
    Mário Kozel Filho.
    Francisco Waldir de Paula.
    Alberto mendes Junior.
    Joel Nunes.
    Nelson de Barros.
    José Geraldo Alves Cursino.
    Antônio Aparecido Posso Nogueró.
    Tomaz paulino de Almeida.
    Rosendo Rezende.
    Raimundo de Carvalho Andrade.
    Nelson Martinez Ponce.
    João Campos.
    Sylas Bispo Feche.
    Benedito Monteiro da Silva.
    Luzimar machado Oliveir.
    Eduardo Custódio de Souza.
    Antônio Carlos Jeffery.
    Naul José Montovani.
    Boaventura Rodrigues da Silva.
    Guido Boné.
    Natalino amaro Teixeira.
    Aparecido dos Santos Oliveira.
    Mauro Celso rodrigues.
    João Guilherme de Brito.
    Abelardo Rosa Lima.
    Newton de Oliveira do Nascimento.
    Célio Tonelly.
    Garibaldo de Queiroz.
    José Aleixo Nunes.
    Américo Cassiolato.
    Djalma Peluci Batista.
    Euclides de Paiva Cerqueira.
    João Batista de Souza.
    Isidoro Zamboldi.
    Vagner Lúcio Vitorino da Silva.
    Bertolino Ferrreira da Silva.
    Silvano Amâncio dos Santos.
    Demerval Ferreira dos Santos.
    José Amaral Vilela.
    Hélio Ferreira de Moura.
    Manoel dos Santos.
    Jayme Cardenio Dlce.
    Paulo Macena.
    Edson Régis de Carvalho.
    José Gonçalves Conceição.
    Osíris Motta Marcondes.
    Agostinho Ferreira Lima.
    Noel de Oliveira Ramos.
    Luiz Carlos Augusto.
    Wenceslau Ramalho Leite.
    Estanislau Ignácio Correia.
    Alzira Baltazar de Almeida.
    Edmundo Janot Francisco Bento da Silva.
    Cidelino palmeiras do nascimento.
    José Santa Maria.
    Sulamita Campos Leite.
    Adolf Rohmann.
    Orlando Girolo.
    José Armando Rodrigues.
    José Marques do Nascimento.
    Matrcelo Costa Tavares.
    Fernando Pereira.
    Maria Alice Matos.
    Henning Albert Boilensen.
    Adilson Sampaio.
    Antônio Lisboa.
    Elzo Ito.
    Iris do Amaral.
    Napoleão Felipe Bertolane Biscaldi.
    Walter César Galleti.
    Aníbal Figueiredo de Albuquerque.
    João Pereira.
    Sívio Nines Alves.
    Luiz Honóri Correia.
    Severino Fernandes da Silva.
    José Inocêncio Barreto.
    Manoel Henrique de Oliveira.
    Pedro Américo Motta Garcia.
    Pedro Mineiro.
    Edward Ernest Maxmilian Von Westernhagen.
    David. Cuthberg.
    Charles rodney Chandler.

  4. me parece que tinha outro negro: Idalisio Soares Aranha, na guerrilha e lá executado .Era estudante da UFMG e filho de familia natural de Rubim,vale do jequitinhonha -MG. Sua namorada Valquiria tb estudante da UFMG tem seu nome lembrado na UFMG.

  5. A educação padrão e a mídia no Brasil difunde apenas a lógica branca, capitalista, consumista, além de não trabalhar a ética. Vamos valorizar, também o grande antropólogo Darcy Ribeiro, que sempre esteve no caminho desejável para os brasileiros: o autodesenvolvimento e a integração dos povos e das culturas brasileiras. Parabéns a “Osvaldão”.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.