Historiadora e coordenadora do Fórum Itinerante de Cinema Negro (Ficine) Janaína Oliveira. Foto de Fernando Frazão / Agência Brasil 

Cinema negro no Brasil é protagonizado por mulheres, diz pesquisadora

Por Isabela Vieira, repórter da Agência Brasil

Com quatro sessões lotadas no prestigiado Cinema Odeon – incluindo a primeira lotação para 600 pessoas após reforma da casa, no centro do Rio de Janeiro –, o filme Kbela, de Yasmin Thainá, é um dos mais importantes representantes de uma leva de produções feitas por realizadoras negras que ganharam o mundo em 2015. São narrativas que contam com mulheres negras na direção, na produção e como protagonistas, em um terreno onde elas costumam ser estereotipadas.

Levantamento da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), feito em 2014, já apontava para a subrrepresentação da mulher negra no cinema nacional. Para a professora do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) e doutora em história, Janaína Oliveira, Kbela rompeu essa lógica em 2015. (mais…)

Ler Mais

Brasil e Pnud vão destinar R$ 4 mi para ações de promoção da igualdade racial

Recursos serão usados em parte para fortalecer e ampliar os Núcleos de Estudos Afro-brasileiros

SEPPIR*

Nos próximos quatro anos, R$ 4 milhões serão destinados a ações para promover a igualdade racial no País por meio do fortalecimento dos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros em atividades em universidades e institutos federais.

Os recursos são provenientes de uma acordo assinado nesta quarta-feira (16) entre o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, o Ministério das Relações Exteriores e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). (mais…)

Ler Mais

disque racismo

Disque 100 receberá denúncias de racismo

Lançamento será durante a 3a Conferência Nacional de Juventude

SEPPIR

A partir de hoje, quarta-feira (16/12), os brasileiros terão uma nova forma de denunciar crimes de racismo. O Disque 100, serviço do governo federal para receber denúncias de violações de direitos humanos, passará a contar com dois módulos novos: um que receberá denúncias de violações contra a juventude negra, mulher ou população negra em geral; e outro módulo específico para receber denúncias de violações contra comunidades quilombolas, de terreiros, ciganas e religiões de matriz africana. O disque se junta a outros instrumentos oferecidos pelo governo, como a Ouvidoria da Igualdade Racial no combate ao racismo. (mais…)

Ler Mais

De acordo com Débora Maria, para o jovem negro, se propõe o aumento da maioridade penal, enquanto para o jovem branco são pensadas novas formas de cursos e planos de carreira.

Segurança pública, racismo e a construção dos sujeitos ‘matáveis’ no Brasil

Não gostamos do que vemos no espelho e preferimos negar e calar, valorizando as narrativas – constantemente renovadas desde antes da República e, sobretudo, após o fim da escravidão – que destacam o país pacífico e não racista

Atila Roque* – Nexo

A volta para casa dos cinco jovens residentes na favela de Costa Barros, zona norte do Rio de Janeiro, na madrugada de 29 de novembro passado, um domingo, após uma noite de celebração e festa no Parque de Madureira –  um dos poucos espaços públicos de lazer dos subúrbios cariocas –, terminou em mais uma chacina que chocou pela brutalidade, mas não, infelizmente, por sua excepcionalidade. No caminho daqueles jovens havia uma viatura do 41º Batalhão da Polícia Militar do RJ com policiais que descarregaram mais de cem tiros de fuzil e pistola sobre o carro onde estava os jovens. Alguns relatos de testemunhas dizem que os rapazes já tinham parado o carro e levantado as mãos, um gesto que qualquer o jovem negro morador do Rio de Janeiro, em particular aqueles que vem das favelas e das periferias da cidade, aprende rapidamente a fazer diante da abordagem policial. Sabem, esses jovens, que nesses encontros a vida está sempre por um fio. Não foi diferente para os meninos que celebravam a amizade,  o primeiro emprego de um deles e a ilusão de que eram livres para circular sem medo pela cidade. (mais…)

Ler Mais

25-de-novembro-dia-international-pelo-fim-da-violencia-contra-as-mulheres

16 dias: Mulheres negras denunciam solidão e violencia em campanha #meuamigosecreto

População Negra e Saúde

Estamos nos 16 dias de ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, e durante duas semanas venho acompanhando mulheres negras denunciando violências, por meio da campanha#meuamigosecreto, campanha lançada nas redes sociais que incentiva as mulheres denunciarem as  diversas formas violentas, as relações de opressão que as mulheres sofrem com os homens negros, principalmente.

Neste sentido as mulheres negras têm um adendo além de denunciar o sexismo, também denunciam o racismo que existe dentro das relações afetivo-sexuais com os homens negros, e o quanto isso levam as mulheres a viver uma vida de solidão, como mães solteiras e responsáveis pelos filhos. (mais…)

Ler Mais

combate racismo

‘Racismo tem profundas raízes no colonialismo e na escravidão’, diz chefe de direitos humanos da ONU

Alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein participa da primeira reunião regional da Década Internacional de Afrodescendentes. Mais de 150 representantes da sociedade civil e governos de toda a América Latina e o Caribe estão reunidos em Brasília esta semana e debatem estratégias para promover a igualdade e os direitos de afrodescendentes

ONU BR

Começou nesta quinta-feira (3), em Brasília, a primeira reunião regional realizada no contexto da Década Internacional de Afrodescendentes da ONU. A América Latina e o Caribe foi a primeira a se organizar para discutir as ações e expectativas para a Década, que teve início esse ano e acontecerá até o ano de 2024. O evento, organizado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e sediado pelo governo brasileiro, segue até sexta-feira (4), com transmissão ao vivo, e reúne cerca de 150 pessoas de toda a região. (mais…)

Ler Mais

combate racismo

Manifestantes protestam contra morte de jovens negros no Rio

Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil

A morte de cinco jovens negros pela Polícia Militar no último sábado (28) foi repudiada ontem (3) durante manifestação no bairro de Madureira, na zona norte do Rio.

Dezenas de pessoas, principalmente jovens, saíram do Viaduto Negrão de Lima, onde fica a sede da Central Única das Favelas (Cufa), e seguiram em passeata até o Parque de Madureira. (mais…)

Ler Mais

banner-decada

Brasil sedia reunião da América Latina e Caribe sobre Década Internacional dos Afrodescendentes

Evento acontece em Brasília, entre 3 e 4 de dezembro, com a participação da Ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e do Alto Comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos

SEPPIR

A primeira reunião regional sobre a Década Internacional de Afrodescendentes, abrangendo a região da América Latina e Caribe, será realizada em Brasília/DF, entre os dias 3 e 4 de dezembro. O encontro, coordenado pelo Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, será realizado em parceria com o governo brasileiro, por meio do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos – responsável por coordenar as ações da Década no Brasil, e a Procuradoria-Geral da República. (mais…)

Ler Mais

1

Representante da Ordem dos Advogados do Brasil busca apoio para comissão que investiga escravidão

Ideia é criar comissões nas universidades

SEPPIR

O presidente da Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, Humberto Adami, esteve nesta segunda-feira (30/11), no gabinete do secretário especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Ronaldo Barros. A Comissão, criada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em 2014, busca fazer um resgate histórico do contexto em que ocorreu o regime escravocrata no país. (mais…)

Ler Mais

Foto de Marcello Casal Jr /Agência Brasil

Às ancestrais: Quinhentos anos em um dia, por Nilma Bentes

Havia ameaça, mas não choveu.
O que era um tantinho de mulher negra virou um tantão e comoveu.
Lembrava um rio onde flutuavam milhares de flores coloridas.
As dezenas de faixas traziam mensagens; traduziam anseios de vidas doloridas.
As falas emocionadas alternavam com as melodias cheias de ginga e exalavam alegria.
Nem os fascista pró-ditadura empanaram ou reduziram nossa energia.
No todo, um Estado um tanto indiferente, embora um governo reticente. (mais…)

Ler Mais