Pertences do garoto permaneciam no local do crime no início da tarde (Foto: Gabriel Felipe/RBS TV)

Seletividade pouca é bobagem [menino indígena assassinado não sai no jornal]

Por Daniela Felix*, em Combate Racismo Ambiental

Desde domingo passado, dia 27/12, nossos veículos midiáticos estaduais foram tomados por forte comoção, em razão da triste morte de um ciclista, jornalista notório e empresário de sucesso, vítima de atropelamento na SC 401.

A cerimônia de despedida foi marcada pela presença das ilustres classes política, econômica e de comunicação do Estado.

A partir do fato, a mídia investigativa está na busca frenética de responsabilidades, que vai desde a culpa do “pseudo-bêbado dorminhoco”, que está confinado no Presídio de Florianópolis, até a política de construções de ciclofaixas, com promessas de toda a elite política do executivo, municipal e estadual.
Atos de ciclistas foram promovidos em protesto a mais uma morte.

Nunca demos tanta atenção a uma morte, por certo triste e desnecessária.

Manchetes e mais manchetes. Repercussão internacional.

Já à morte por degolamento à luz do dia de uma criança indígena Kaingang, de 2 anos, mamando no peito de sua Mãe, na Rodoviária de Imbituba/SC: uma breve narrativa do fato e uma pretensa (e falsa) informação de conclusão da apuração da responsabilidade.

Manchetes nos jornais?

Nenhuma.

Busca de informações sobre o extermínio das populações indígenas no estado?

De forma alguma.

Saber os motivos que levam as populações indígenas a migrarem pro litoral na temporada?

Pra quê!

Enfim… Esses são os valores e as prioridades nas escolhas do que deve ser veiculado.

Ontem, dia 30, e hoje, 31, último dia do ano, não cabe um indiozinho nos jornais, já que nossa mídia está ocupada narrando a vida cheia de méritos e brilhos das Celebridades e pseudo-Celebridades que até ontem estavam em crise e que, “apesar da crise”, hoje estarão tomando banho de champagne francês nas festas pagas a preços exorbitantes, com seus trajes moldados aos corpos esculturais produzidos nas academias.

É mais importante a pose de um cantor sertanejo universitário (de baixíssima qualidade) num iate de U$5 milhões à dor de uma Índia em choque que teve seu filho Vítor assassinado em seus braços por um desajustado que achou que a vida de uma criança marginalizada não vale nada.

De fato.

É esse o 2015 que torço para que jamais se repita.

São esses pesos e medidas que me esforço dia após dia para mudar.

É o amor ao outro que me move. Rico ou pobre, célebre ou anônimo, da elite ou da periferia.

Somos humanos e me empenho incansavelmente para que esta convivência, apesar das diferenças, possam habitar o mesmo Mundo, os mesmos espaços.

2016 não será diferente se continuarmos os mesmos.

***

À Família do Índio Kaingang Vítor, meus mais profundos sentimentos.
Ao Povo Kaingang minha solidariedade e apoio nas lutas, que eu sei que são muitas e imensas.
A todas e todos os demais meu imenso afeto.

Comments (1)

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.